segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Vicky Cristina Barcelona

Acabadinha de chegar de Lisboa e depois de uma sopa rápida, fui ao encontro de Woody Allen. Não resisti. Um sundae, clandestino e proibido, de caramelo e cobertura dupla de amêndoa colmatou o desejo.



Com Paco de Lucia a voluptuosamente compassar os devaneios de Vicky, Cristina e da neurótica e deliciosa Maria Elena, mais do que envolvida na estória, vi-me a ser compreendida, não pela unidade mas pela soma.
Há dias em que parece que a tela está a falar só para nós e que os restantes presentes apenas admiram esse espectáculo.

Sempre gostei dos diálogos que o Woody Allen desenvolvia para os seus personagens. Costumam ser filmes em que, de facto, pouco mais que isso interessa, mas só isso já é de uma grande riqueza. E deixa-nos sempre pensativos, de uma forma divertida. Woody Allen, com a sua obsessão em explorar o complexo universo das mulheres, vem corroborar a minha teoria de que um homem com um forte lado feminino é muito mais interessante!
Vicky Cristina Barcelona direcciona-me até ao seu quê de voyeur, mesmo. São 73 anos e este é provavelmente o seu filme mais erótico.

Javier Bardem é a prova de que um homem não precisa de ser bonito para ser fortemente sensual. Javier Bardem, a meu ver, é também apenas uma desculpa para que as outras três senhoras partilhem convosco as suas interessantes personagens. :)

Soube-me muito bem!
Saí da sala 3 de sorriso nos lábios, a trautear a divertida música "Barcelooona lálálááá" e aos pulinhos, apesar do forte cansaço. :)

E assim vos aconselho a irem embebedar-se com o Woody nesta estória em que a sensualidade se atinge pela simplicidade, numa das vossas próximas visitas ao cinema.

"Maria Elena used to say that only unfulfilled love can be romantic..."

3 postas de pescada:

Patricia disse...

opa...gostava tanto de ver este filme...vou ter de esperar q chegue em DVD...vida de mãe é dura ehehe

Grão de Areia disse...

Podes sempre pedir ao gajo pa sacar, moça... :)

Tita disse...

Ansiosa por ver. Li num blog, creio, que há cenas fantásticas com a querida Scarlett. Parece que Javier Bardem estava com problemas em tirar-lhe a roupa!
Beijinho!